Google
 

domingo, 15 de abril de 2007

Ofertas públicas: analise o prospecto para decidir se vale a pena participar

Na hora de participar de uma nova oferta pública de ações, principalmente de ações estreantes na Bovespa (as famosas IPO), muitos investidores têm dúvidas. Será que a empresa tem boas perspectivas? Como avaliar a empresa e a transação? Qual será o desempenho das ações?Estas perguntas não são fáceis de serem respondidas. Buscando defender o interesse dos investidores, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) criou um conjunto de regras para divulgação de informações destas transações. Em linha com o que ocorre nos principais mercados financeiros mundiais, o objetivo é um só: trazer informações imparciais.

Somente informações objetivas

Isso significa que quaisquer informações subjetivas, ou seja, que tragam uma percepção de juízo de valor sobre a oferta, não podem ser divulgadas. Isso inclui desde material promocional até relatórios de análise, indicando potencial, preço alvo ou qualquer outra informação nesta linha.

Algumas pessoas podem achar estranho que, dentro de uma era de informação como a atual, um órgão regulador bloqueie informações. Porém, restringir a dados objetivos o que pode ser divulgado serve como defesa para o investidor, impedindo que sua decisão de investimento seja direcionada ou influenciada por opiniões de terceiros, muitas vezes com interesses na oferta.

Prospecto como fonte de informações

Se por um lado muitas informações não são permitidas, por outro lado o investidor pode contar com um conjunto de dados invejável sobre a empresa e a transação: o prospecto preliminar. Este documento deve ser disponibilizado ao investidor pelas instituições envolvidas na oferta, mas caso o investidor não tenha tido acesso, sempre resta o site da CBLC (www.cblc.com.br).

São tantas informações no prospecto que o investidor pode ficar até confuso, já que em alguns casos o documento supera 200 páginas, sem contar os anexos. Embora a leitura completa seja recomendada, muita gente somente foca a atenção em alguns pontos. Isso traz vantagens e riscos.Somente a leitura completa pode garantir que o investidor terá acesso a todas as informações disponíveis, reduzindo os riscos.

No entanto, muito pouca gente tem tempo para isso: no fundo é uma alocação entre risco (não saber algo importante) e retorno (usar o tempo de forma eficiente).

Não deixe de checar

No meio de tantas informações relevantes, é difícil selecionar o que é mais importante. Antes de mais nada, o investidor tem que dedicar algum tempo para analisar o sumário da companhia e o sumário da oferta, que trazem as principais informações sobre a transação.

Quando analisar a empresa, busque identificar qual o seu posicionamento competitivo no mercado, como ela se diferencia de seus concorrentes e qual sua estratégia de crescimento. Na hora de analisar os demonstrativos financeiros, não esqueça também de checar se o tamanho da oferta é compatível com o porte da empresa.

Outra seção importante, que deve ser analisada em detalhes, é a que traz os fatores de risco da empresa e da transação. Não esqueça também de analisar quem são os acionistas e qual a destinação de recursos, já que, em geral, o mercado reage melhor a empresas que usam os recursos para investimentos na empresa, ao invés de direcionamento aos acionistas atuais.

As informações são muitas e variam de acordo com a área de atuação da empresa. No entanto, uma boa análise do prospecto pode trazer elementos que o levem a uma conclusão em relação à sua participação ou não na oferta.

(fonte: InfoMoney )


Bons Negócios

Um comentário: